Por Que Diversificar nossos Investimentos

Você dificilmente vai encontrar algum conteúdo sobre diversificação de investimentos que nem sequer mencione a seguinte frase: “Não coloque todos os ovos em uma única cesta”. Isso porque além de ser uma frase simples, não há melhor comparação para exemplificar o que pode acontecer com o investidor que não tem uma carteira diversificada.

Bom, voltando ao ovo…Todo mundo sabe o quanto o OVO é frágil, certo? Agora imagine só: você compra uma dúzia de ovos, coloca todos em uma mesma cesta. Um evento inesperado ocorre e, acidentalmente, sua cesta de ovos cai no chão. Você muito provavelmente terá quebrado todos os seus ovos. Se você tivesse distribuído seus ovos em duas cestas, você teria perdido apenas metade dos seus ovos, e a outra metade continuaria segura.

 

Ilustrando o exemplo para o mercado financeiro, o nosso capital seria o “ovo”, enquanto os nossos investimentos seriam a nossa “cesta”.  Imagine que você aplique todo o seu capital em apenas um ativo da bolsa. Sabemos que o mercado é volátil e reage às notícias muito rapidamente. Se o ativo no qual você investiu sofre uma forte desvalorização, você terá um prejuízo proporcional. Se você tivesse aplicado parte do seu capital em um produto de renda fixa, por exemplo, que é um investimento com risco um pouco mais baixo, você teria prejuízo em apenas uma parte do seu patrimônio.

 

Mas cuidado. Ter uma carteira diversificada é muito diferente de ter investimentos em ativos aleatórios. Ao montar sua carteira, é necessário que o investidor considere, além de seu perfil, o chamado tripé dos investimentos, formado por segurança, liquidez e rentabilidade. Lembre-se, o intuito é formar um portfólio de papéis que maximizem a possibilidade de ganhos para um dado nível de risco. Por isso, vamos dar quatro dicas de como você pode diversificar os seus investimentos:

Classe de ativos

Escolha o tipo de ativo que fará parte da sua carteira. Por exemplo, você pode optar por Ações, Fundos Imobiliários, ou ETF’s. Mas como já falamos, é necessário levar em consideração o perfil do investidor também. Vou dar um exemplo para ficar mais claro de como correlacionar esses dois pontos.

Pensando em ações, por exemplo, encontramos no mercado ações de Small Caps e Blue Chips. As Small Caps, são empresas menores que estão em um momento de alto crescimento e por isso não distribui tantos dividendos aos seus acionistas. São ações com um risco um pouco mais elevado, pois por serem novas, ainda não carregam um histórico de geração de resultados. Já as Blue Chips são o oposto das Small Caps, ou seja, são empresas que já atingiram seu ponto de maturidade, já possuem um bom histórico de geração de resultados e utiliza seus lucros para serem distribuídos aos acionistas.

Não há regras, mas faz muito mais sentido que investidores mais jovens optem por Small Caps, pois ainda estão construindo o seu patrimônio e poderão esperar o tempo necessário para a empresa atingir sua maturidade, diferente de um investidor mais velho, que já tem seu patrimônio construído ao longo de sua vida e buscam uma carteira previdenciária.

 

Diversificação em Setores

Encontramos ativos de diversas empresas, com diferentes ramos de atividade. Aportar seu capital em empresas de diferentes ramos, pode ser uma forma de proteger o seu capital. Por exemplo, esse ano vimos a crise do Petróleo provocar uma queda de 30% nas ações da Petrobras. Se o seu patrimônio estivesse todo no setor petrolífero, você com certeza teria perdido muito dinheiro. Porém, se seu capital estivesse diversificado e você tivesse apenas uma parte do seu aporte em ações da Petrobras, o ganho que você teria com as empresas que cresceram no mesmo período compensariam as perdas advindas da crise do Petróleo.

 

Diversificar em Moeda

Não investir apenas em R$. O dólar é a moeda mais segura do mundo. Durante a crise, investidores do mundo inteiro buscam proteger seu patrimônio aportando seu capital em dólar. Se o Brasil sofre uma crise política ou queda no PIB, por exemplos, seus investimentos em empresas brasileiras vão sofrer desvalorização por conta do momento político do país. Porém, se você tem uma parcela dos seus ativos desvalorizados, estes não sofreram por conta do cenário brasileiro.

 

Número de Ativos

Não há uma regra para a quantidade de ativos que você deve ter na sua carteira. Mas o ideal é que você tem uma quantidade que você seja capaz de controlar. Por mais que seu objetivo seja a longo prazo, é necessário acompanhar seus ativos para ter certeza que faz sentido você mantê-los na sua carteira ao longo da sua vida. manter um portfólio um pouco mais concentrado com ações que a gente sabe que foi capaz de estudar a fundo.

 

 

Se você ainda tem dúvidas sobre alocação de investimentos na carteira, fique tranquilo. A missão da Jovens é justamente fornecer informações de qualidade, te ajudando a entender melhor sobre o mundo de investimentos. Nosso principal objetivo é te ajudar na sua jornada rumo a independência financeira e por isso, toda semana, tem artigo novo para te ajudar a aprender tudo aquilo que o ensino tradicional não te ensina.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *