Vacinação no Brasil

Conseguiiiiimos! Depois de tanta política, ops, eu quero dizer: depois de tanta polêmica, finalmente temos aprovação para o uso emergencial das vacinas contra o coronavírus aqui no Brasil. No último domingo, a Anvisa aprovou os pedidos de uso emergencial no Brasil dos imunizantes CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac, e AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a Fiocruz. E, dois dias depois, na terça feira (19), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária também concedeu o Certificado de Boas Práticas de Fabricação à farmacêutica Pfizer. A certificação é um dos requisitos para o registro das vacinas no Brasil – seja para uso emergencial ou permanente.

Bom, a Anvisa aprovou a vacina no domingo e na segunda-feira, como prometido pelo Ministro da Saúde Eduardo Pazuello, as vacinas já começaram a ser distribuídas para todos os estados brasileiros que, à medida que iam recebendo o imunizante, logo começavam a vacinação (no mesmo dia)!

 

E tem mais…

 

Na quarta-feira (20), a Pfizer anunciou que começará a imunizar neste mês mais de 1,4 mil voluntários que receberam placebo durante os testes no Brasil da vacina contra Covid-19. Apesar de a vacina não ter sido aprovada para uso no Brasil, o laboratório disse que o procedimento está de acordo com as tratativas definidas junto ao órgão regulador e faz parte do termo de consentimento assinado pelos participantes no início da pesquisa.

Governo da Bahia formalizou o pedido de uso emergencial da vacina russa Sputnik V à Anvisa, já que o estado fechou um acordo de cooperação com o fundo responsável pela distribuição, prevendo o fornecimento de até 50 milhões de doses. Após o pedido, o Ministro do STF, Ricardo Lewandowski, deu 72 h para a Anvisa explicar sobre uso emergencial da Sputnik V, exigindo que a agência informe o estágio de análise do requerimento e eventuais pendências para a aprovação do imunizante contra a covid-19.

 

Aí você deve estra pensando: UFA, JÁ POSSO AGLOMERAR!

 

Bem,  ainda não!

A esperança de que a vacinação nos traria rapidamente ao novo normal acabou em algumas horas. O motivo? Pouca vacina. O Brasil, que tem mais de 200 milhões de habitantes, tinha em seu território apenas 6 milhões de doses autorizadas para uso, todas da CoronaVac, quando começou a distribuição.

A preocupação surge porque tanto a produção no Butantã quando a produção na Fiocruz, estão paradas por falta de insumo para produção a vacina.  O insumo farmacêutico ativo (IFA), é o princípio ativo das vacinas, para ser diluído e envasado no Brasil.

Uma soma de questões burocráticas e necessidade de suprir seu próprio mercado com vacinas estaria segurando a liberação pela China dos insumos para a fabricação das vacinas. Parte dos insumos para a produção da vacina da AstraZeneca, por exemplo, deveria ter chegado ao Brasil no início de janeiro. O atraso na chegada dos insumos preocupa porquê pode impactar o cronograma de entregas para o Ministério da Saúde.

 

Ou seja, ainda não dá pra aglomerar, descuidar e deixar de usar máscara. Mesmo com o inicio da vacinação, ainda vai levar um tempo até conseguirmos imunizar o número suficiente de brasileiros para retomar a vida “normal”.

 

Fontes:
https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2021/01/20/pfizer-comeca-a-imunizar-14-mil-voluntarios-que-tomaram-placeb. o-em-teste-no-brasil-de-vacina-contra-covid-19.ghtml
https://istoe.com.br/lewandowski-da-72-h-para-anvisa-se-explicar-sobre-uso-emergencial-da-sputnik-v/
https://www.moneytimes.com.br/burocracia-e-forte-demanda-seguram-exportacao-chinesa-de-insumos-para-vacinas-e-podem-atrasar-cronograma-no-brasil/
https://veja.abril.com.br/saude/brasil-fica-a-frente-apenas-de-tres-paises-na-arrancada-da-vacinacao/
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *