O PIX está no AR!!!

No dia 16 de novembro, começou a funcionar o novo sistema de pagamentos instantâneos brasileiro, o PIX. A tecnologia desenvolvida pelo Banco Central tem como principal objetivo aumentar a digitalização das transações financeiras.

Uma das características mais atraentes do PIX é que ele funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ou seja, independente do dia ou hora que a transação for realizada, ela será concluída instantaneamente. Além disso, apesar de muitos bancos digitais já terem isentado tarifas de DOC e TED, algumas instituições ainda cobravam por esse serviço. O PIX é 100% gratuito para Pessoas Física e MEI. Para as demais Pessoas Jurídicas, apesar da ferramenta ter um custo, este ainda é muito menor do que as empresas tem hoje.

 

Você sabe com o PIX pode impactar nossa economia?

Atualmente, quando uma empresa faz uma venda e o cliente opta por pagar com cartão, o vendedor tem um percentual descontado do valor total da venda, referente às taxas da bandeira, de intercambio (banco) e do fabricante da maquinha do cartão. Com o PIX, a transação é feita diretamente entre comprador e vendedor e, sem os intermediários responsáveis pela cobrança das taxas, por mais que a ferramenta não seja gratuita, o desconto do valor recebido pelo vendedor é menor do que quando a venda é paga pelo cliente com cartão.

Mas, se por um lado temos pessoas física e jurídica se beneficiando da redução dos custos, do outro temos os bancos que deixam de receber grandes quantias ainda movimentadas pelas cobranças de DOC e TED, além da taxa de intercambio, que era creditada aos bancos toda vez que uma compra no cartão era realizada. A redução nas vendas pagas com cartões também impacta as bandeiras e as fabricantes de maquininha pelo mesmo motivo.

 

Mas, se você já tinha todas essas informações e acha que o PIX só tem desvantagens para as grandes instituições financeiras, talvez você não esteja tão bem informado. Há alguns pontos de atenção que devem ser considerados ao utilizar a ferramenta:

 

 

– Algumas pessoas tinham a crença de não colocar o CPF na nota fiscal, por receio do Governo acompanhar todos os seus gastos. Com o PIX, o Governo não só terá acesso a todos os seus gastos como também terá essas informações no detalhe. Esse ponto é bem polêmico, pois o fato de o Governo acompanhar toda nossa vida financeira coloca em pauta os direitos a liberdade e a propriedade privada.

– Segurança. Mesmo antes de ser lançado, já foi levantada a questão de uma nova modalidade de assalto relâmpago com a utilizando o PIX. Apesar de parecer bizarro termos esse tipo de preocupação, a ferramenta “facilita” a vida de criminosos, que ao invés de sequestrar uma vitima e levá-la para caixas eletrônicos para realizar saques, basta que o assaltante apresente o seu QR CODE e exija que a vítima faça uma transferência.

– Já no lançamento do sistema, golpistas aproveitaram a fase de cadastramento de chave para roubar dados dos clientes. O Banco Central também reforçou que, por ser um sistema de transferência instantânea, requer segurança redobrada para evitar fraudes.  Apesar disso, o Banco Central garantiu que, mediante a comprovação de crime, haverá restituição de valores transferidos, sem a necessidade de autorização da pessoa que recebeu o depósito

 

Apesar de todos os pontos, o PIX tem muito mais a fortalecer o nosso sistema financeiro do que prejudicá-lo. A tecnologia vai possibilitar um sistema de pagamentos mais eficiente e mais barato.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar neste assunto?
Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *